05 novembro, 2010

Depilação a Laser também pode ser feita no verão!


Está chegando a estação mais quente do ano e, com ela, a corrida para preparar o corpo para usar roupas mais curtas e decotadas, além de desfilar nas praias e piscinas. A boa notícia é que a depilação a laser para se livrar dos indesejáveis pelos já pode ser realizada, atualmente, no verão. Segundo Marina Berti, fisioterapeuta da Clínica do Cirurgião Plástico Dr. Alan Landecker, o tratamento realizado com o aparelho Soprano XL, por exemplo, é praticamente indolor e a grande maioria dos pacientes relata boa tolerância ao método. “Além disso, não há necessidade de afastamento das atividades diárias, a ocorrência de foliculite (infecção da base do pelo), vermelhidão e edema na pele é bem reduzida, pois há menor agressão. E o melhor: pode ser usado em quer tipo de pele, inclusive nas bronzeadas”, destaca. A aplicação do laser na clínica é realizada por profissionais treinados, sob a supervisão técnica do Dr. Alan Landecker.

O procedimento é realizado no consultório, sem a necessidade obrigatória de anestesia. “Os recentes avanços tecnológicos do laser revolucionaram os tratamentos de beleza. O laser possui uma capacidade única, em comparação com outros tratamentos disponíveis, que é a seletividade, ou seja, consegue atingir somente a célula-alvo, poupando as estruturas ao redor”, explica Dr. Alan.

Como funciona

O princípio da ação do laser é a fototermólise seletiva, que significa que algumas estruturas do corpo captam mais calor e energia do que outras, quando submetidas à exposição ao raio de luz. Na depilação, o aparelho de laser é regulado para que a melanina, contida em grande quantidade no folículo piloso que origina o pelo, capte a maior quantidade de energia. Após a captação, esta energia é transmitida ao folículo piloso na forma de calor, destruindo-o e eliminando a possibilidade da geração de um novo pêlo.

“Antes do tratamento, o médico determinará o tipo de pele, a energia e a ponteira a ser utilizada. Em geral, utilizamos as ponteiras R e RS, capazes de remover de forma segura pelos em todos os tipos de pele encontrados na população brasileira. O aplicador grande permite tratar áreas extensas como costas, tórax e pernas inteiras, de forma rápida e eficiente”, explica Marina Berti.

Segundo ela, infelizmente, não é possível determinar o número exato de sessões a ser realizado. “O número de sessões requerido dependerá de vários fatores relacionados, tais como tipo de pele, cor e espessura dos pêlos, a área a ser tratada e o número de pêlos em cada fase de crescimento, entre outros fatores”, pontua.

A fisioterapeuta acrescenta que quando a pele tende a ser mais escura, existe a necessidade de se utilizar energias menores, para evitar dano à epiderme, o que diminui relativamente à eficiência, tornando o tratamentos mais seguro e mais demorado. “O mesmo acontece com pêlos mais claros, e mais finos. Estes tipos de pêlo absorvem menos energia, tornando o tratamento mais longo”, afirma a fisioterapeuta.

Para a especialista, é errôneo afirmar que uma perna com uma grande quantidade de pelos escuros jamais voltará a ter um pelo. “Podemos esperar com as sessões uma diminuição efetiva dos pelos, mudanças favoráveis nas suas características, tornando a pilosidade mais fina e mais clara. Deve-se realizar as sessões de manutenção, para se chegar a um resultado próximo do definitivo.”

É importante frisar que antes do tratamento não se deve usar nenhum método depilatório que não seja a lâmina de barbear, pois a utilização de métodos onde o bulbo capilar é arrancado, torna a depilação a laser ineficaz. Depois do tratamento, é preciso observar se não há nenhuma área irritada.


Os Tipos de Pele - Classificação de Fitzpatrick

Em 1975, um médico americano, o Dr. Thomas B. Fitzpatrick criou uma classificação para os tipos de pele. A classificação está baseada na cor da pele e na reação à exposição solar. Esta classificação é a utilizada ainda hoje para a programação dos tratamentos a laser, porque ela permite a regulagem dos equipamentos em níveis de energia seguros:

Pele muito clara, sempre queima, nunca bronzeia
Pele clara, sempre queima e algumas vezes bronzeia
Pele menos clara, algumas vezes queima e sempre bronzeia
Pele morena clara raramente queima e sempre bronzeia
Pele morena escura, nunca queima e sempre bronzeia
Pele negra, nunca queima, sempre bronzeia


Perfis

Marina Berti é formada em Fisioterapia pela Universidade Paulista (UNIP), com cursos de extensão e aperfeiçoamento em Instrumentação Cirúrgica (SEIC), Desordens Têmporo-Mandibulares (UNIFESP) e em Oclusão e Disfunção Têmporo-Mandibular (Instituto de Ensinos Odontológicos, IEO). Desde 2009, é Fisioterapeuta integrante da equipe do médico Cirurgião Plástico Dr. Alan Landecker, em São Paulo, e professora de Fisioterapia Aplicada às Disfunções Temporo-Mandibulares do Instituto de Ensinos Odontológicos de Bauru – IEO (Bauru – SP). Já atuou na Prefeitura Municipal de Orlândia – PMO, Instituto de Cardiologia Dante Pazzanese, Hospital Municipal Dr. Mário Gatti e na Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP. É autora de vários artigos científicos, publicados nos Arquivos de Neuropsiquiatria e nos anais do Simpósio UNIP de Fisioterapia.

Dr. Alan Landecker, formado em Medicina e Cirurgia Geral pela Universidade de São Paulo, iniciou sua formação em Cirurgia Plástica com o Professor Ivo Pitanguy, com quem trabalhou durante três anos. Tornou-se Membro Titular e Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) e, também membro da prestigiada International Society of Aesthetic Plastic Surgery (ISAPS). Realizou pós-graduação/especialização clínico-cirúrgicas nas Universidades de Miami, Alabama, Pittsburgh, New York e Texas Southwestern, um dos mais importantes centros de formação em cirurgia plástica dos Estados Unidos, o que permitiu desenvolver estudos que foram apresentados em eventos científicos e publicados em revistas internacionais especializadas.

Após alguns anos de prática no Brasil, Dr. Alan Landecker voltou aos Estados Unidos a convite do Dr. Jack P. Gunter, um dos criadores da técnica de Rinoplastia Estruturada. Tornou-se então, especialista em cirurgia plástica de nariz pela University of Texas Southwestern, sendo atualmente instrutor do prestigiado Dallas Rhinoplasty Symposium (curso teórico-prático em cirurgia de nariz, realizado anualmente em Dallas, Texas – EUA), além de ser autor de vários capítulos do livro Dallas Rhinoplasty: Nasal Surgery by the Masters, best seller mundial sobre cirurgia de nariz, atualmente.

Outros procedimentos realizados pelo Dr. Alan Landecker:

Nariz - Face – Mamas – Implantes Mamários - Abdome – Lipoaspiração – Pálpebras – Orelhas – Braços – Coxas Cirurgia Reparadora - Procedimentos corporais e faciais estéticos

3 comentários:

  1. uaii ela é daqui da minha city essa moça.... de onde vc é flor ?????

    ResponderExcluir
  2. Olá Karol adorei seu blog, vou te seguir tá...

    Bjucas...

    www.xanguiso.blogspot.com

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget
Este blog possui atualmente: Comentários em Artigos! Widget UsuárioCompulsivo

Vídeo não pode ser exibido.