20 janeiro, 2011

Alimentação, nutrição e equilíbrio do aparelho digestivo


Como é possível conquistar uma saúde próxima da perfeição? Esta é uma indagação que estimula muitos debates sobre como ficar livre de doenças e com mais bem-estar. Com certeza, o cuidado com a alimentação e a nutrição deve integrar o pacote de ações para uma vida e um organismo mais saudáveis. Quando se fala neste tema, é interessante ficar atento ao funcionamento do aparelho digestivo e os processos envolvidos: ingestão, digestão, metabolismo, a absorção de nutrientes e eliminação de toxinas, com os objetivos de produzir energia e manter em equilíbrio as funções do organismo.

De acordo com o Dr. Vladimir Schraibman (CRM-SP 97304), especialista em cirurgia geral, gastrocirurgia e orientador de Cirurgias Robóticas da área de Cirurgia Geral e do Aparelho Digestivo do Hospital Israelita Albert Einstein (Proctor Intuitive Robotic System), uma a alimentação saudável é obtida por meio dos seis grupos de alimentos (frutas, vegetais, cereais, carnes, leite e derivados e gorduras), que em quantidades apropriadas proporcionam calorias e nutrientes necessários para a estrutura corporal e bom funcionamento do corpo.

Na entrevista que segue, o especialista relata mais detalhes da influência de uma boa alimentação sobre o aparelho digestivo e demais funções vitais para a sobrevivência do ser humano. Confira!


1. O que são nutrientes e para que eles servem?

Os nutrientes são componentes dos alimentos que ingerimos. São divididos em os macronutrientes (carboidratos, proteínas e gorduras) e micronutrientes (vitaminas, minerais, água e fibras).


2. Quais as conseqüências das distorções alimentares sobre o aparelho digestivo?

Podem gerar desde sintomas como a prisão de ventre, gastrite, disfunção da vesicular biliar, quadros como obesidade, desnutrição grave, disfunções hormonais, entre outros problemas.


3. Qual a quantidade ideal de consumo de vitaminas, proteínas e carboidratos que uma pessoa adulta deve consumir por dia? Uma pessoa idosa também deve ingerir esta mesma quantidade? Por que?

O ideal é consumir as seguintes quantidades diárias:

Cereais, pães, arroz e massas: 6 a 11 porções (*);
Vegetais: 3 a 5 porções;
Frutas: 2 a 4 porções;
Carnes, peixes, aves, ovos, feijões e nozes: 3 porções;
Leite, iogurte e queijos: 2 porções;
Gorduras, óleos e açúcar: 1 porção.
(*) Cada porção equivale ao volume de uma colher (sopa) cheia.



O idoso tem uma diminuição das propriedades e características do organismo. Além de alterações na dentição, que dificultam a mastigação, as funções digestivas estão diminuídas. Por isso, as refeições na terceira idade devem ser pouco abundantes e repartidas, a fim de que cada uma não sobrecarregue o estômago. À medida que aumenta a idade, a tendência será para que as refeições se tornem isocalóricas, ou seja, com baixa caloria uma vez que gastamos menos energia com o passar do tempo, além de seguirem com intervalos de três a quatro horas.



4. E para as crianças, qual o percentual mais indicado?

A ingestão calórica varia de acordo com o peso. Em crianças, no geral o aporte deve ser maior, pois além de realizarem muitas atividades físicas, ainda necessitam nutrientes para prover o seu crescimento.



5. Como saber se esta quantidade está sendo ingerida?

Visitas regulares ao pediatra indicam se a criança está na curva de ganho de peso e de altura adequadas. Se o médico constatar deficiência no crescimento da criança, o médico definirá uma dieta nutricional, que pode estar aliada com o tratamento medicamentoso.



6. O que pode acontecer no organismo quando um tipo de vitamina, proteína ou carboidrato é consumido em demasia?

Ingestão excessiva de proteína pode agravar quadros renais e a ingestão excessiva de carboidratos pode levar à obesidade. A maioria das vitaminas ingeridas em excesso é eliminada pelo organismo.



7. E a falta de um destes elementos, pode refletir em que na saúde?

Os quadros são os mais diversos e variam de acordo com a vitamina: falta de vitamina C por gerar o escorbuto e o beri beri, por exemplo.



8. Quais os alimentos que podem afetar o bom funcionamento do intestino, estômago ou fígado? Explicar por quê.

De modo geral dietas equilibradas com carnes brancas, ausência de farinha branca, verduras, legumes, poucos conservantes e acidulantes, sem refrigerantes e sem doces, proporcionam um ótimo equilíbrio aos órgãos e seu funcionamento correto.



9. Quais os alimentos mais benéficos ao bom funcionamento do intestino, estômago ou fígado?

Alimentos frescos, sem conservantes, não industrializados e na medida do possível levemente cozidos, são os ideais para o organismo porque possuem baixa caloria.



10. Em quais alimentos podemos encontrar os nutrientes necessários no consumo diário?

Nos mais variados tipos de alimentos, como cereais integrais, verduras legumes, peixe, frango e ovos.



11. Quais os alimentos que levam à prisão de ventre? Por que isso ocorre?

Paes, carnes vermelha e massas em geral levam a prisão de ventre, porque são alimentos pobres em fibras.


Perfil

Dr. Vladimir Schraibman (CRM-SP 97304) - Cirurgia Geral e Gastrocirurgia
Especialista em cirurgia geral, gastrocirurgia e orientador de Cirurgias Robóticas da área de Cirurgia Geral e do Aparelho Digestivo do Hospital Israelita Albert Einstein (Proctor Intuitive Robotic System).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget
Este blog possui atualmente: Comentários em Artigos! Widget UsuárioCompulsivo

Vídeo não pode ser exibido.